Grumman F-14D Hobbyboss 1/72

Esgotado

Grumman F-14D Hobbyboss 1/72
R$153,99
3x de R$51,33 sem juros
Ver detalhes das parcelas

Sobre o Grumman F-14D Tomcat

USN e a USAF buscavam um avião comum para as missões de ataque e interceptação inicialmente derivado do General Dynamics F-111: a USAF ficaria com a versão A para ataque(inclusive nuclear) e a B iria para a USN. Com o descarte da variante F-111B, a marinha americana voltou à estaca zero e iniciou um programa próprio de avião de caça, interceptação e superioridade aérea. Esse avião devia ter dois lugares, capacidade de Mach2 e um poderoso binômio radar-míssil para longo alcance.

Trabalhando no projeto codinome VFX, a Grumman respondeu com um jato simplesmente impressionante sob quaisquer aspectos: dois turbofans Pratt-Whitney TF-30 com quase 21 mil libras de empuxo cada(trocados posteriormente pelos TF-30P-414A e, por fim, pelo General Eletric F110-GE-400), asas de geometria variável mas sem ailerons(substituídos pelos spoilers e tailerons). Na suíte de aviônicos, as versões iniciais vinham com o radar AWG-9X, integrado aos sistemas RWR, chaff/flare, IFF e o sensor ótico AN/ALR-23 sob o nariz integrados através do computador de gerenciamento Garrett CADC. Munido de datalink e capacidade de acompanhar mais de 20 alvos ao mesmo tempo, um F-14 poderia aturar como mini AEW&C, comunicando-se com uma outra esquadrilha de ataque. Os F-14A que sofreram upgrade de motores e aviônicos foram chamados de F-14A+ e mais tarde de F-14B.

Equipado com um M61 de 20mm, cada Tomcat pode carregar ainda tanques sob as naceles dos motores, AIM-9 para combate a curta distância, AIM-7 Sparrow para ataque a média distância e AIM-54 para engajamentos a longa distância. Afora os americanos, a única outra nação que pôde usar o Tomcat foi o Irã, que fez o batismo de fogo do jato quando do conflito Irã-Iraque. Os iranianos não só os estrearam em combate, como andaram experimentando uma miríade de armas inéditas, como o MIM-23 Hawk(inicialmente usado como míssil anti-aéreo, foi usado com sucesso nos F-14) e mísseis russos R-73 para ataque à curta distância. Só os iranianos usaram os AIM-54 Phoenix com sucesso também.

A última versão é a -D, também chamada de Super Tomcat. Além dos motores GE F110, o cockpit recebeu diversos mostradores digitais e novo radar AN/APG-71, IRST, novos assentos ejetáveis e uma suíte modernizada de contramedidas eletrônicas. Apesar disso, poucos F-14D eram novos de fábrica: a maioria era formada de aviões modernizados.

Sobre o item HY80278

  • Mísseis AIM-9L(x2), AIM-54(x4), AIM-7(x2) e tanques sub-nacelares(x2);
  • Asas de geometria variável móveis;
  • Bocais dos motores com opção aberto/fechado; e
  • Alternativa de pod no queixo: pode representar os F-14A(late batch)/B/D